Imagem Shutterstock

Imagem Shutterstock

Vocês podem achar que não, mas conheço a carinha de várias de vocês que me acompanham neste mundo virtual e conforme vão comentando meus posts, desabafando por inbox, email eu fico mais “próxima” e conheço mais a história de vocês. Algumas já receberam pedidos pra escreverem pro blog, pois quero ouvir o lado de vocês e acho super bacana que outras famílias também conheçam, pois muitas vezes, a grama do vizinho parece mais verde, mas no fundo, estamos todas juntas, não é? O texto de hoje é um guest post e vem nos mostrar: porque escolhi seguir uma alimentação saudável com minha filha.

Obrigada, Thally, por aceitar o convite e estar mais uma vez aqui no Maternidade Colorida! 🙂

Antes de ser mãe eu nunca me preocupei muito com alimentação, na realidade meu marido e eu nos casamos jovens e então nossa alimentação era basicamente junkfood! Isso não mudou na gravidez, e essa culpinha vou carregar pra sempre L, mas enfim a única certeza que eu tinha muito claramente durante a minha gestação era a de que eu amamentaria minha filha exclusivamente durante os seus 6 primeiros meses de vida e de que eu estaria integralmente com ela pelo menos por seus 2 primeiros anos e por conta disso abandonei a carreira e passei a me dedicar exclusivamente a minha família.

Confesso que nunca havia pensado muito sobre esse assunto até a Paola perguntar e aí eu comecei a me indagar como eu cheguei a esta decisão/escolha e a resposta é: Aconteceu naturalmente, o instinto materno, aquele que nos guia a sempre procurar o melhor pras nossas crias!

Depois de ter tido muitas dificuldades com a amamentação e antes mesmo de eu iniciar a IA comecei a ler, a me informar, a coletar receitas, a mudar o meu pensamento sobre o que é comida de criança! De cara eu decidi que não queria industrializados na alimentação dela e que evitaria o açúcar o máximo que eu pudesse, no inicio esse era meu lema! Bem como comecei de conhecer os males do que culturalmente se entende como comida de criança. E foi assim que essa escolha foi se formando dentro de mim, acrescente a isso o fato de eu não querer que minha filha sofresse com a balança e com a compulsão alimentar com a qual eu lido todos os dias!

Por incrível que pareça a maior dificuldade que encontrei com relação a essa escolha foi vinculada as outras pessoas, ao julgamento, ao riste de dedo, ao olhar torto de terceiros, desde os mais próximos como avós/avôs, tios até alguns totalmente desconhecidos, principalmente, por conta do peso da minha filha, conforme já escrevi aqui!

Mas a pessoa mais importante, a pessoa com a qual eu realmente me preocupava foi e é minha maior aliada! Minha filha! Minha Maria Helena! E isso é o mais bacana, o fato de eu ter sempre mantido uma relação de confiança com ela, de sempre explicar a realidade dos ingredientes de leva-la pra cozinha sempre que possível fizeram com que ela se tornasse uma criança mais segura, mais consciente! Sempre que digo NÃO pra algum alimento, ela sabe o porquê, faço questão de explicar!

Hoje, se tornou um pouco mais difícil justamente por que os “outros” se sentem no direito de ofertar alimentos sem o seu conhecimento, afinal que mal faz um docinho pra um criança né?!?! E isso me faz sair das tamancas! Mas é preciso acreditar no seu filho, é preciso confiar de que você fez o seu melhor e que em algum momento a escolha não estará em suas mãos!!

Hoje sempre que oferecem ou dão um doce pra minha Maria Helena ela traz imediatamente pra mim, ou se eu não estiver por perto ela não aceita! E sim, já aconteceu dela experimentar bala e pirulito, ambos uma vez cada, a primeira foi bem recente numa festa de aniversário em que enquanto ela brincava outra criança maior colocou a bala na boca dela e o pirulito foi quando voltei a trabalhar ano passado e ela ficou com a babá, como ela chorava muito por sentir a minha falta a moça achou que um pirulito iria acalmá-la, mas no fim das contas ela pôs o pirulito na boca chupou um pouco e depois desistiu e voltou a chorar!

Fofa! :) Arquivo pessoa da Thally

Fofa! 🙂 Arquivo pessoa da Thally

Além disso, ainda temos a enxurrada de publicidade de produtos “do mal” veiculadas em televisão, mesmo nos canais pagos, os personagens conhecidos e queridos do púbico infantil que estampam embalagens de um sem número de produtos!, Enfim, existem diversos fatores pra enganar/desestimular quem tenta manter uma alimentação saudável pros seus filhos!

Mas o que posso dizer?!? Mesmo com todas as dificuldades, não tem coisa mais gratificante, afinal tem recompensa maior do que ver seu filho comendo bem, comendo de tudo, sabendo que sobremesa é fruta e que comida de verdade é a feita em casa?!?! Posso garantir essa é hoje minha maior felicidade! Ter uma filha saudável, que se alimenta direito NÃO tem preço!!

Uma coisa que é muito legal e que fazemos até hoje é irmos juntas à feira, escolhermos nossas “comidas”. Muito do que ela rejeitava começou a ser aceito nessas ocasiões, o prazer de escolher as frutas, de conhecer os legumes e hortaliças! Nossos sábados são sempre cheios de descobertas e experiências com novos sabores, texturas e cores!

Outro fator que pode desestimular são os preços! As pessoas associam alimentação saudável com alimentação cara!! De fato existem bons ingredientes que muitas vezes o seu orçamento não comporta! Mas por experiência própria te garanto dá pra comer bem sem gastar muito! Tenho vivido duas realidades distintas, tivemos um corte considerável em nosso orçamento e tive de abrir mão de alguns ingredientes, mas ainda assim tenho conseguido manter uma alimentação balanceada, saudável e gostosa mesmo sem eles! Compro frutas e legumes da estação, pesquiso preço, tento preparações diferentes com o mesmo ingrediente e estamos trabalhando num projeto de uma horta e um pomar em casa! Já plantamos algumas frutas e agora começamos a organizar o espaço para a horta!!

E por fim, muita gente reclama da preparação, do trabalho que dá, de como é mais simples comprar pronto, ou então como o sabor da comida fica melhor com aquele caldinho!! Sim dá mais trabalho, mas nada tão absurdo como se pensa, é só uma questão de organização! Mas preciso dizer, você só consegue tempo dentro da sua rotina pra fazer aquilo que gosta, aquilo que te dá prazer, então é preciso descobrir o prazer em fazer em casa, em alimentar a família! Não existe essa de não saber cozinhar, de não ter talento, é claro que algumas pessoas tem mais facilidade, mas tudo é possível com dedicação, amor e prazer, o segredo é não desistir, algumas coisas não vão funcionar de cara, mas quando funcionam não tem coisa melhor!! O segredo é incorporar alguns hábitos na rotina:

  • Sempre tenho frutas já cortadas na geladeira, tipo as frutas maiores como mamão, abacaxi, manga chegam da feira e após lavadas já descasco as maduras e ponho na geladeira,
  • Deixe alguns alimentos congelados. Só tenho tempo em casa aos domingos então sempre preparo o básico e congelo em porções individuais.
  • Frutas congeladas também rendem ótimos sorvetes naturais ou ficam deliciosas batidas com iogurte ou em forma de frozens e milkshakes! E nesse momento de “restrições orçamentárias” rsrs, sempre fica mais barato comprar aquelas frutas super maduras que os feirantes já estão quase descartando e por isso vendem mais barato, sempre faço isso, compro e congelo! Economizo e ainda consigo fazer ótimas receitas!

Olha, tudo isso que escrevi, toda essa nossa rotina me dá muito orgulho! Por que pra mim foi uma verdadeira evolução! Venho de uma família humilde e cresci numa cidade do interior, minha mãe, minha avó sempre foram cozinheiras de mão cheia, mas das antigas, sem nenhuma preocupação com a carga nutricional dos alimentos, sempre tivemos refeições mais caseiras, sempre preparadas em casa com muito amor, aprendi a “cozinhar” aos 9 anos com minha avó! E depois de casada adotei a dieta do maridão que sempre comeu comida pronta, congelados, embutidos e que pra mim no auge dos meus 19 anos recém chegada a uma capital era absolutamente cool! Então, manter as coisas como mantenho em casa hoje é pra mim uma verdadeira mudança de paradigmas e de hábitos e me orgulho muito disso, mesmo derrapando algumas vezes junto com o meu esposo já me sinto uma vitoriosa por tudo que Maria Helena e eu conquistamos até aqui!

Minha dica é: Leia, pesquise! FAÇA O SEU MELHOR mesmo que para os outros não faça o menor sentido! Não se desespere se mesmo fazendo tudo certo seu filho continue fechando a boca, não se guie pela criança alheia que come tudo e que ama cenoura/beterraba/couve! Cada criança é única e cada mãe também é!!Acredite tudo o que você pode fazer é o seu MELHOR! Ofereça boas opções, incentive a descoberta de novos sabores, não se renda aquela propaganda de suplemento!! Escute/leia seu filho, ele te dirá tudo o que precisa mesmo sem uma única palavra!

E vocês, porque escolheram seguir uma alimentação saudável com as crias?

Beijos.

Share Button