dia das mães - maternidade colorida

Mês de maio, mês onde se comemora o Dia das Mães, e nos fins de semana teremos o Especial Dia das Mães. Deixemos o lado consumista pra lá e vamos apenas curtir essa onda toda. Pra mim dia das mães, dia dos pais, dia dos namorados, dia das crianças são todos os dias, mas não preciso me fechar pra tudo que está ao meu redor, né? Agora em maio, vamos comemorar por aqui o Dia das Mães com histórias reais de algumas mães que acompanham o blog. Recebi um texto mais emocionante que o outro e alguns aparecerão por aqui e hoje é dia de ver como a maternidade transformou uma menina quando ela entendeu que era mãe.

Com a fanpage, o blog e os 2 grupos sobre alimentação que modero, tenho contato com várias mães, com algumas me identifico muito, com outras me sinto amiga há anos, outras quero dar colo e já quis pedir colo pra mais um monte.

Essa mãe de hoje me despertou a curiosidade pois sempre a vi muito ativa em grupos de alimentação saudável, aí um dia ela pediu pra ser minha amiga no face, isso bem lá no começo da introdução alimentar da Clara, que foi quando justamente comecei a falar mais sobre alimentação no blog e tomei como assunto prioritário por aqui. Foi aí que pude conhecê-la ainda mais.

Ano passado, nesta mesma época fiz na fanpage algumas imagens em comemoração do dia das mães, relembre NESTE post: Dia das Mães: Ser Mãe em apenas uma palavra! E ela emocionadamente falou sobre o fato de não querer ter filhos e hoje ser o que ela mais amava ser.

Ela faz pratos que me dá vontade de pegar o carro e correr pra Belo Horizonte, ela demonstra ter uma vida simples na facilidade de brincar, cozinhar, permitir que a fofa da Sofia se suje e explore todos os cantos da casa, inclusive corra atrás das galinhas.

Ela é uma inspiração pra mim, pois muito escuto de mães que não fazem comida porque não sabem ou que não comem isso ou aquilo e reclamam que seus filhos bebês também são resistentes pro colorido da feira.

Com vocês, uma querida amiga virtual que quero muito disvirtualizar, uma mãe esplendorosa, uma chef de cozinha de primeira.

Jéssica, obrigada por participar tão generosamente do meu cantinho, obrigada por ter mudado seus hábitos e levar tanta saúde a sua filha … obrigada por se permitir, por ter se transformado e por me inspirar diariamente.

dia das mães - maternidade colorida

Quem é a Jéssica?

Jessica, 23 anos, mãe em constante evolução, defensora ferrenha dos direitos das crianças, feminista em construção. Meu mundo um dia já girou em torno do meu umbigo, hj gira em torno de um pingo de gente chamado Sofia! Apaixonada pela culinária saudável e crente de que boa comida é o caminho para uma boa saúde.

Sua gravidez foi planejada?

Não. Eu estava no 3º período de arquitetura quando veio meu positivo. Foi o maior choque da minha vida, eu e meu então namorado, ficamos desesperados, por mais que já estivéssemos juntos ha 4 anos foi uma notícia bombástica.

Você sempre quis ser mãe?

Nossa, a maternidade não fazia parte de mim. Nem quando criança eu queria ser mãe. Eu dizia para o namora do: ah, com uns 30 anos TALVEZ eu pense nessa história de ter filho. E um só! Então quando confirmei a gravidez eu vi cada parte do meu plano de vida desmoronar. Minha gravidez foi difícil, passei da 20º semana até a 36º semana passando por procedimentos médicos que hoje, eu sei que foram abusivos e propositais para que eu não tivesse outra opção se não a cesariana. Então se engravidar já não era meu sonho, passou a ser mais complicado ainda, eu estava deprimida já nas últimas semanas de gravidez e continuei assim até o quinto mês da minha filha. Eu só consegui mesmo sentir o amor avassalador de mãe quando ela já tinha 2 meses.

Como era sua alimentação até engravidar ou a começar a introduzir os alimentos pra Sofia?

Minha alimentação sempre foi péssima. Fui uma criança seletiva e comia apenas arroz, feijão, carne e batata. Mesmo com todo o esforço da minha mãe tadinha. Quando comecei a trabalhar, ai o que já nao estava bom desandou de vez rsrs comia muito fast food e toda sorte de porcarias quase todos os dias Pouco antes de descobrir que estava grávida, passei uma semana inteira comendo hambúrguer de microondas (eeeeeca). Eu só tomei rumo quando finalmente caí na real de que se eu queria um bebê saudável eu teria que ser a primeira a dar o exemplo.

Com quantos meses você introduziu a alimentação?

Como eu contei, estava muito deprimida. Não confiava em mim nem me sentia capaz como mãe, pois depois de ter um parto roubado e uma amamentação conturbada, achava que eu era uma mãe péssima, então td que a pediatra dizia eu respobdia “amém” . Então comecei aos quatro meses com sucos e papinhas de frutas. Mas não é porque eu errei que aconselho outras mães/pais a fazerem o mesmo. Todos os órgãos de saúde recomendam a introdução de alimentação complementar após o 6º mês do bebê. Antes disso o bebê deve ser alimentado somente com leite, não importa se é leite materno ou fórmula infantil.

Você amamentou até quantos meses/anos? Porque?

Sabe aquela ferida que sempre dói? Aquele assunto que mexe com a gente? Pois é, a amamentação é minha ferida aberta, até hoje, um ano e meio depois. Vamos lá, desde a gravidez que as mulheres da minha família me diziam que eu não teria leite, porque isso é genético. Que eu não teria leite porque o peito já escorre leite desde os seis meses de gestação. E isso foi ficando enraizado na minha mente. No dia da cirurgia cesariana, eu estava em pânico, permaneci em pânico durante toda a cirurgia e também no pós operatório. ou seja ZERO ocitocina. Não veio nem o colostro, e as enfermeiras que me atenderam no Hospital e Maternidade Vila da Serra foram mal educadas e insensíveis. Eu pedi ajuda e só obtive deboche. Inclusive, se tem alguém de BH lendo, fuja deste hospital. Já saí da maternidade com a receita de leite na mão. Minha mãe tentou me ajudar muito, mas infelizmente ela não sabia o que fazer, então o leite em pó venceu, e Sofia nunca chegou a mamar em mim, meu leite veio depois de 20 dias, e eu simplesmente não soube ajudar meu bebê a pegar o peito. Por isso eu faço um pedido, mulheres que estão grávidas, estudem sobre o parto e amamentação, estudem porque nem sempre acontece tudo tranquilamente e de forma fácil. Tirar um tempo e se dedicar a procurar boa informação também é preciso. Acreditem na força do nosso corpo, a natureza nos fez perfeitas para alimentar nossas Crias. Acreditem!!! E olha, o seio de uma mãe é muito, muito, muito mais que só alimento. É um conforto inexplicável. Essa semana Sofia teve uma crise inexplicável de choro inconsolável, eu não conseguia acalma lá e decidi ir para o chuveiro com ela, pois já que não amamento, ao menos o contato pele com pele eu faço questão. Bom, neste momento aconteceu a coisa mais surpreendente e emocionante, ela dormiu no meu peito, “chupeitando” como algumas pessoas dizem. Foi a uma hora mais intensa da minha vivência como mãe, éramos só ela e eu, e sim, eu fiquei ali ninando debaixo do chuveiro durante uma hora um bebê de mais de 12 quilos que resolveu “mamar” . Sabe aquela emoção da primeira mamada bem sucedida? Então, foi isso que eu senti. Muita gente vai achar inapropriado e esquisito, mas não me importo! E repito, amamentação é a coisa mais importante para seu bebê e nós podemos, nós conseguimos!

O que mudou na sua vida depois da maternidade?

Mudou a vida, toda ela! Eu sou hoje outra pessoa. Valores, lutas, prioridades, amores… Tudo mesmo mudou e pra muito melhor. A partir do momento que dei um sacode em mim mesma, a força materna invadiu cada centímetro do meu corpo e me fez uma outra mulher. Sou mais forte, confiante, sábia, compreensiva, tenho mais tempo, saúde, auto estima e outros ideais! Foi um caminho difícil, porque como eu disse ser mãe não estava nos planos, mas se tem uma coisa que não dá meeeesmo pra fazer mais ou menos é: criar um filho. E nesse caminho de dedicação eu acabei por descobrir que o que eu quero mesmo é ser mãe de um montão de filhotes rsrs quero morar num lugar longe, numa casa grande com um quintal enorme pra ver as Crias correndo e plantar e colher em minha própria horta. Ter um fogão a lenha pra fazer as maiores delicias culinárias. completamente diferente do meu plano de vida anterior, mas nesse plano acho que eu não seria tão feliz.

Quem é responsável por fazer a comida na sua casa?

Aqui temos um casamento que tem como pilar a cooperação, então tanto eu quanto o marido somos responsais pela cozinha. Ele não cozinha, mas participa da escolha do cardápio, aprendeu a fazer feira, aprendeu sobre alimentação saudável junto comigo,impa o frangão caipira, mexe as panelas hahaha

De onde vem tanta inspiração pra cozinhar?

Tudo começou quando conheci o Delícias do Dudu. Eu pensei: uau, comida de bebê não precisa ser chata? E então nasceu um amor por cozinhar pra cria! Eu não dava nada com açúcar ou sal, nada industrializado, mas era uma comida chata e sem graça . Sofia já tinha cinco meses quando conheci o universo da boa alimentação e isso foi um divisor de águas na minha vida. E a partir daí eu decidi que eu tomaria as rédeas da maternidade. Comecei a pesquisar na Internet e encontrei blogs e páginas maternas de muita qualidade. Hoje tenho minhas musas inspiradoras que sempre me ajudam, tem você Paola, tem a Thais Ventura do Delícias do Dudu, tem a Pat Feldman do Crianças na Cozinha, a Suzy do Bicho Papinha, a Nathalia Donato da Chefe de Papinha, tem a nutri Karine Nunes, tem a Luana Cardoso do Cozinha da Cloe. Só galera fera! Lembrando que, por mais saudável e rica que seja a alimentação que será ofertada ao bebê, espere até os seis meses.

Você já gostava/sabia cozinhar antes de ser mãe?

Bom, eu não sabia nem fazer um simples arroz (vergonha rsrs) Eu simplesmente nunca tinha feito nada além de macarrão, claro, com caldo pronto, molho pronto, tempero pronto… Ralei muito pra aprender tudo que sei hoje!

Qual sua receita preferida?

Huuuum eu amo risotto! Todos eles

Qual seu sonho?

Nossa, eu sonho com o dia em que as pessoas parem e tentem seguir mais seus instintos, suas raízes, a natureza e o que é natural ao invés de seguir a TV, o marketing, as grandes empresas. Sonho que as pessoas que já seguem um estilo de vida consciente possam de alguma forma alcançar outras muitas pessoas e assim o conhecimento do que é bom se espalhe. Sonho em criar uma filha forte que saiba se defender nesse mundo patriarcal, e também desejo que o patriarcado acabe! Sonhos grandes!

Qual sua receita que fez mais sucesso?

Nossa, talharim aos quatro queijos sempre agrada a gregos e troianos! Não tem erro nunca!

O que as pessoas falam da alimentação de sua filha?

Bom, india-radical-xiita virou meu segundo nome haahahaha as pessoas geralmente acham que a forma que criaram seus próprios filhos é a única e a melhor. E no fim das contas eu não as culpo, a indústria joga pesado pra nos fazer acredirar que a farinha doce que vem na lata é o que faz bem. Que açúcar deve fazer parte da vida de bebês e crianças. Mas eu entendo, porque uma pessoa com um pirulito na mão passa a ideia de alguém feliz e alegre, agora alguém com um brócolis na mão viiiish kkkkk O fato é que eu precisei muitas vezes ser chata com as pessoas mesmo,foiii dureza conquistar credibilidade, mas a Sofia é prova de que vale muito investir numa alimentação saudável para nossos bebês. Então eu aceito sem problemas minha medalha de india-radical-xiita.

Com vocês, alguns dos pratos que ela faz e me deixa com água na boca diariamente:

alimentação saudável

Beijos,

Share Button

Comentários

  1. Sua linda! É uma pena morarmos em cidades distantes. Mas nossa amizade virtual também fez com que você se tornasse um exemplo e uma inspiração para a minha vida, afinal, eu pratico a alimentação saudável, mas não sou a pessoal mais hábil na cozinha… heheh. Adorei cada palavrinha sua, você e sua família merecem toda a felicidade desse mundo! =D Beijos <3