Essa semana vamos comemorar a Semana Mundial da Amamentação e esse ano o “tema” é o incentivo e apoio às mães que amamentam.

Muitas de nós sofremos algum tipo de preconceito em relação a amamentação. Na realidade acho que é a falta de respeito com os dois lados: de quem amamenta e de quem não amamenta.

Eu como profissional apoio e incentivo sempre a amamentação e tudo que a engloba: ser exclusiva até os 6 meses, ser prolongada até 2 anos e isso tudo está no Manual de Pediatria feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

O que me deixa triste, é ver mães recebendo orientações erradas, além dos famosos palpites de profissionais, familiares, amigos, vizinhos e etc.

É difícil amamentar? Sim, é!

– É porque nem sempre o bebê nasce sabendo sugar e a mãe em amamentar;
– É necessário dedicação materna;
– Apoio, ajuda do companheiro é fundamental;
– Muitas vezes o cansaço e o excesso de sono faz a mãe desistir;
– Mães voltam ao trabalho na sua maioria com 4 meses de licença;
– Industria alimentícia e sociedade incentivam o desmame ou o aleitamento parcial.

Falo tudo isso porque vivo isso. Na minha família, acham exagero eu ainda amamentar, não achei nenhum pediatra (fui em 5) que incentivasse o aleitamento, voltei a trabalhar depois de 5 meses e meio de licença, Clara sempre acordou durante a noite umas 3 vezes pra mamar, sendo que os quatro primeiros meses, acordava a cada 1 hora, meu Marido nunca acordou de madrugada pra me ajudar.

Sou melhor que outra mãe? Jamais, de forma alguma e nem quero ser.

Mas sou orientada, informada e sei dos benefícios que a amamentação faz pro bebê e isso pra mim supera o cansaço.
Acredito que devemos ser orientadas corretamente pra daí tomarmos nossas decisões.

Ja cheguei a ficar com a Clara sugando em meu peito por mais de 4 horas seguidas, no dia seguinte fuo trabalhar e nem por causa disso desisti da amamentação ou dei algum paleativo.

A solução pra mim? Compartilhei a cama metade da noite (na mamada das 4 horas ela vinha pra minha cama). Marido não se opos, pois entende que é uma fase e falei pra ele todos os benefícios da amamentação.

Vida de casal? Temos sim! Nossa casa tem mais de um cômodo e somos criativos. Acredito que com uma boa conversa tudo se resolve.

Nunca dei chupeta ou mamadeira pra evitar a confusão de bicos (e também fui recriminada por isso), Clara sempre tomou o leite ordenhado de colher ou copinho.

Ordenhava meu leite no trabalho, congelava e enviava pro berçário (consegui fazer isso até os 10 meses).
Neste post  falo como fazia com a ordenha e neste como meu corpo adequou a produção do leite.
Quando tive dificuldades logo no começo, fui procurar ajuda no Banco de Leite ( relembre aqui).

Enfim, tomei minha decisão em prol da minha filha e não deixei nenhum fator externo alterar minha vontade.

Se você amamenta, parabéns! Continue amamentando e aproveite estes momentos.

Sobra leite? Doe e ajude outros bebês. Veja aqui como e onde doar.

Não conseguiu amamentar? Não se culpe e incentive uma gestante ou mãe ao seu redor a amamentar e se estiver com dificuldades, buscar ajuda.

Ah! No domingo dia 4/8 terá a Hora do Mamaço em várias cidades do País. Veja aqui local e horário de sua cidade.
Em São Paulo será na Av. Paulista e eu estarei lá com a Clara.

Vamos???

Share Button