Imagem Shutterstock

Imagem Shutterstock

Muitas de nós quando engravidamos ficamos preocupadas com o ganho de peso. 
Costumo dizer que além de se preocupar com o peso, é necessário se preocupar com a qualidade da alimentação, pois ela além de controlar o ganho de peso, contribui pra formação saudável e adequada dos bebês.
 
Desde o momento que decidimos engravidar, até mesmo antes das tentativas começarem, precisamos começar com a suplementação de alguns nutrientes, que apenas pelos alimentos não consumimos a quantia necessária.
Existem no mercado, compostos vitamínicos pras gestantes, mas se você tem condições, é interessante fazer um manipulado com as quantias certas e todos os nutrientes necessários pra uma gestação correta.
 
Quando eu estava grávida, uma Nutricionista, prescreveu meu suplemento e eu mandava fazer em farmácias de manipulação.
 
Durante a gravidez, precisamos comer para duas pessoas (ou mais no caso de gêmeos) e não por dois e tem como comer bem e não ganhar peso desenfreadamente.
 
Meu G.O sempre me disse que eu teria que engordar no máximo 1kg/mês, mas isso varia de acordo com o peso atual da mulher, pois se ela já estiver acima do peso, ganhar 1kg/mês é muito.
Outro fator importante, é que no primeiro  trimestre, normalmente não se ganha muito peso, pois o bebê ainda não ganhou peso considerável, além de uma boa parte das gestantes sofrerem com os terríveis enjoos e não conseguirem ingerir nada.
alimentação na gravidez

No segundo trimestre, normalmente os enjoos vão embora, os desejos chegam com tudo e com isso as grávidas precisam se controlar um pouco, pois no terceiro e último semestre o bebê já ganha peso considerável e agrega peso ao peso da mãe.

alimentação na gravidez
 
Aumento de peso exageradamente, escolhas erradas dos alimentos podem causar hipertensão, pré – eclampsia, diabetes gestacional, além de poder interferir no bebê.
 
 Existem alguns alimentos que são fundamentais nessa fase:
 
Carboidratos: 
 
Carboidratos são responsáveis pela energia de nosso corpo, como se fosse o combustível de nosso organismo. Quando não ingerimos a quantia certa de carboidratos, usamos as proteínas como fonte de energia e isso não é adequado.
Cada nutriente tem sua função e por isso a ingestão deve ser correta.
Todo mundo, ou a grande maioria, tem “medo” do carboidrato e o aponta como o grande vilão do excesso ou ganho de peso.
O problema não é o carboidrato e sim qual carboidrato escolher. Chocolate, doces, açúcares são os carboidratos simples que claro, consumidos em grande quantidade unidos ao sedentarismo engordam sim.
Pães, arroz, cereais, massar, tubérculos e algumas frutas contém carboidratos. Uma boa dica é consumir os carboidratos integrais, pois eles são ricos em fibras, ajudam a regular o intestino que de algumas grávidas são presos e tem seus nutrientes intactos, pois não passaram pelo processo de refino.
 
Proteínas:
 
As proteínas são responsáveis pela “construção” de nosso organismo. As proteínas são fundamentais para a produção das células e dos tecidos novos da mãe e do bebê. 
Existem as proteínas de origem animal e as de origem vegetal.
Carnes de todos os tipos, ovos, leite e derivados são as de origem animal e as leguminosas (feijão, vagem, grão de bico, lentilha, ervilha) e as oleaginosas (castanha, amêndoas, amendoim) são as de origem vegetais
 
Cálcio:
 
Nutriente fundamental, está relacionado à formação dos ossos e dentes dos bebês.
São encontrados nos leite, derivados e no gergelim.
Sabe aqueles gergelim torrado que tem nos pães? Então, salpique nas saladas, sopas e até mesmo no arroz. Fica uma delícia e é super nutritivo.
 
Ômega 3, DHA:
 
DHA é o mais novo queridinho. Nos EUA, assim como o ácido fólico, ele é prescrito pras gestantes e mulheres que querem engravidar.
Mas o que é DHA?
DHA é uma abreviatura em inglês que significa Ácido-Docosa-Hexaenóico (Docosa-hexaenoic-acid). É um ácido essencialmente graxo do tipo omega-3. Quimicamente, é um ácido carboxílico.
É importante ingerirmos o DHA, pois le compõe o ômega 3, ácido graxo super especial que participa do processo de mielinização do cérebro do bebê, fazendo-o alcançar o seu maior potencial genético em relação ao aspecto cognitivo e como sabemos, o cérebro do bebê começa a ser formado no nosso ventre.
Eles são encontrados nos peixes de água fria: salmão, sardinha, atum)
 
Ácido Fólico:
É um tipo de vitamina B que não produzimos, sendo responsável pela formação neurológica do bebê. 
Toda mulher que quer engravidar, deve já durante as tentativas se suplementar com ácido fólico.
Pela alimentação, o encontramos nos vegetais verdes escuros, como couve, espinafre e brócolis.
 
Ferro:
 
Ingerir ferro previne a anemia durante a gravidez e complicações no parto.
Carnes vermelhas, feijão, castanhas, espinafre, beterraba são alimentos ricos em ferro.
 
Evitem comer doces, frituras, gorduras em excesso. Controlar o peso ajuda a não ter estrias, e colabora pra uma gravidez tranquila.
 
Beijos
 
Imagens retiradas daqui: 0102
 
 
 

 

Share Button
Deixe seu comentário ou dúvida: